Saturday, July 01, 2006

17. Pântanos

Destilava uma asfixia úmida,
suada nos baixios da auto-estima.
De volta, áspero, o ar da distância
se alimentava e alimentava
medos mútuos.

Cigana de si mesma,
prisioneira de sua liberdade,
sua alma basca pedia espaços.

Inflada pela sofreguidão do pensamento,
ziguezagueava,
no equilíbrio do movimento das idéias,
da energia à exaustão.




Costuras, consertos, conversas,
prazos, técnicas, arranjos, mediações...

Perdido,
sabia do torvelinho
além da planura do impasse...


0 Comments:

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home